quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Quem é você? E o que somos nós?

Não bastasse tentar lembrar do que passou com riqueza de detalhes tenho que destroçar o presente para dar a nós um possível futuro.
Ninguém entende as dores do meu corpo, como se bastasse apenas tê-lo; um corpo.
Não me esforço? O que são então as leituras teimosas em vencer um memória lesada? Minhas mãos acariciando os cabelos de alguém enquanto minha cabeça lateja. Respiro fundo para não gritar. Perco a madrugada de sono sem sono. É um paradoxo minha vida, o melhor que tenho são as horas de esquecimento.
Abro a bolsinha de remédios e olho para a cartela do tarja-preta. Resisto. Não me querem assim (penso). Assim como? Em paz? E onde estão agora enquanto fico aqui em meio uma guerra sem trégua?!
Mais absurdo que meus surtos é a sanidade excessiva dos fortes guerreiros normais que talvez nunca saibam o que é um combate.



Já amanheceu, e eu dorme entorpecida. Eu vi o sol, reguei as plantas, alimentei os peixes e fiz algo na cozinha. Não esqueci a guerra, ignoro-a. Posso ser vítima de uma granada e não temo agora, e se atingida, o que importa o depois? Depois de mim é o que fica, que não mais serei eu. 
 Caminho sonolenta e alguns sentidos parecem agora mais fortes. Sinto o vento gostoso, e tenho a impressão de estar em uma dimensão encantada. Não me importo que não percebam, que me rotulem louca e drogada. Eu os amo mesmo assim e dou a eles uma presença iluminada, leve, que se orgulha largamente de ter paz, ainda que breve.

17 comentários:

Ju Fuzetto disse...

O sono é o acalento que vem sedento pedindo ajuda ao sonho.

Eu acho que nunca durmo de olhos fechados.


um beijo flor.
Encantador

Mari e Poly disse...

Lindo menina... um encanto...

Vondade de ninar e sonhar...

Valéria Sorohan disse...

Quando se tem paz de espírito, todo o resto fica em segundo plano.

BeijooO*

Roderick Verden disse...

"Mais absurdo que meus surtos é a sanidade excessiva dos fortes guerreiros normais que talvez nunca saibam o que é um combate."

Gostei muito! Gostei tb da foto da moça descendo a escada, e, descaradamente, a roubei para colocar num de meus blogs, beldadedaminhavida.blogspot.com.

Beijos

manuel marques disse...

Uma parte de mim já se foi, sou outro neste instante e outro serei ainda se continuo a existir ...

Abraço.

Sonhadora disse...

Minha querida
Um texto muito profundo...temos de sonhar sempre.

Beijinhos
Sonhadora

Evelyn Ceinwyn . disse...

''É um paradoxo minha vida, o melhor que tenho são as horas de esquecimento''

A vida não é mesmo isso? oposto de uma mesma moeda, faces e faces traiçoeirs e inteligentes!
eu adorei teu espaço, amei o comentário em meu cantinho, com certeza estou seguindo.
E adorei saber que gosta da música: Bandolins. è minha preferida *-*

Desculpe-me a demora em responder, estive fora esses dias, mais estarei mais presente !

Bjs

Colecionadora de Silêncios disse...

Olá, Juci.

Que belo texto poético!
Adorei!

Beijos, querida.

dade amorim disse...

E assim, comos outro a cada momento que passa - e cada vez mais rápido, mais fugazmente.


Beijo, Juci.

Isabelle. disse...

Lindo, como SEMPRE! :)

beijos!

Livinha disse...

Perguntas que falam e respostas que se calam, como um recado de instantes: descubra.
Quem somos?
Apenas que somos seres mutáveis, que seguimos com os nossos trapos arrastando pelo chão. Entre tropeços e desenganos, buscando um pedaço em cada passo, entre soleiras, e vãos.
O acaso é um visitante mascarado, a esconder o nome. Ele nada revela apenas mantém a presença constante e assina um nome que não existe.

Lindo pensamento.

Obrigada pela visita.
Volte sempre!

Bjs

Livinha

Franck disse...

As enxaquecas, as dores, o isolar-se, entendo de tudo isso e um pouco mais...
Bjs*

*lua* disse...

"...leve, que se orgulha largamente de ter paz, ainda que breve."

Tão breve paz e não o bastante, dormindo!

Sempre reflexões abissais! Beijo Jú!

meus instantes e momentos disse...

um texto profundo e forte.
Gostei daqui, desse teu jeito intenso de escrever.
Maurizio

Gislaine Fernandes disse...

Oi..Adorei seu blog e que bom que vc gostou do meu!
beijos

'Lara Mello disse...

Nossa gostei do conto..É fictício? Bju!

Juci Barros disse...

É bem real, apenas um pouco enfeitado com uso de licença poética.
Beijos.