segunda-feira, 17 de maio de 2010

Proposta literária


        Queridos amigos.

         O blog COMPROMISSO COM O ACASO surgiu por acaso mas com o compromisso de tornar a net um espaço cada vez mais proveitoso, já que são tantas as possibilidades de interação. Estão aqui reunidos talentosos escritores, inspirados poetas e leitores mui pacientes com minhas palavras. Bem, foi o que concluí com minhas visitas às páginas de vocês e com a participação de todos aqui.
         Portanto, lanço aqui uma experiência inspirada na canção atual de fundo: A seta e o alvo (Paulinho Mosca) proponho a composição de um texto assinado não só por mim, mas por todos os que se elencarem nessa aventura. Leiam as regras e mãos a obra, ou no teclado!

1. A estória começa com o título e imagem logo abaixo (será minha primeira contribuição);
2. Cada um de vocês poderá escrever parte do enredo no espaço usado para comentários, usando livremente a imaginação mas concatenando com a idéia da última pessoa que escreveu;
3. Cada autor poderá fazer mais de uma participação no texto, continuado-o desde que seja um trecho por dia.
4. O texto será finalizado por mim no dia 20/05, quinta-feira após as 17hs. Assim, a partir de tal data espero que me ajudem apontando um possível final nas entrelinhas.
5. Por fim, o texto será postado devidamente organizado com a ficha técnica de todos os autores e aberto a comentários.

Conto com vocês!
Atenciosamente e ansiosamente:
Juci Barros


A força do acaso


Era uma vez ...

20 comentários:

Psiquismo Desmistificado disse...

....menina perdida. Solitária, escondida. Cheia de dúvidas e cicatrizes. No semblante uma máscara que esconde a passagem de sua alma.
Absorta, esquiva, a bisbilhotar no escuro em que se esconde.

Sônia Silvino disse...

Cheia de sonhos, mas muito insegura! Se esconde no escuro, se esconde da vida! Foge de si mesma. Mas não desiste, insiste e procura por si mesma!

D. R. disse...

Ora, como estava já escrito na sua vida (embora não o soubesse ainda), naquela manhã, em que as sombras dominavam devido à insistência das nuvens em tapar o sol, a menina foi puxada para fora de casa.
Não sabia que mão invisível a impelia a sair, em busca do mundo lá fora, mas ouvia nitidamente uma voz que chamava. Laura. Laura. O seu nome ecoava nas ruas, na sua cabeça, mas ao olhar em volta, nada via.

Vitor disse...

Pela força do acaso, por aqui passei,
E entrei, gostei e encantei…
O mundo lá fora, pelas cortinas espreitei

Pela certa voltarei, e café tomarei,
Adoro cantinhos encantados, adorei…
É longe…eu sei!

…Mas voltarei!

Bj*

Josephine disse...

No entanto, não desistiu. Ouvia o seu nome numa voz suave, mas cada vez mais alto, a ser chamado. E aí, reuniu todas as suas forças como num reluzente cristal.
Lutou ferozmente contra aquela mão que a tentava puxar, puxar, puxar...

up disse...

Solitária, a guerreira caminha ao acaso. Desviando dos obstáculos, não sente mais os calafrios do abdome, apenas caminhão rumo ao chamado.

*lua* disse...

E de repente num feixe de luz vê a figura de sua mãe, com as mãos estendidas, olhar carinhoso, sem dizer uma palavra, lhe passa uma mensagem de confiaça em si mesma, pois jamais está sozinha e deve caminhar fixando um ponto no horizonte e por fim sua mãe desaparece no infinito.

Juci Barros disse...

Laura em silêncio se perguntava se não era um sonho... tinha medo de falar e descobrir ser tudo real. Nunva vira a mãe antes, que morreu assim que a pôs no mundo, mas intimamente sabia que era sua mãezinha.
Olhando para a porta que deixara aberta Laura não sabe se deve voltar para casa ou caminhar sem rumo...

FÊNIX CRUZ disse...

Mas, feito um bichinho escorraçado pelas lembranças que havia deixado para trás, seguiu as ruas. Ainda estava atônita, sem destino... morta de fome. Andou muito. Até o anoitecer. E exausta, adormeceu enroladinha num canto qualquer, de uma praça qualquer: estava,definitivamente, perdida!

*lua* disse...

A noite fria se foi, o sol começa a aparecer por entre nuvens e com ele surge um homem bem vestido com maleta na mão, ao ver aquela moça deitada no chão, lhe cutuca dizendo:

Josephine disse...

-não tenhas medo...

Juci Barros disse...

_ Mas o que uma moça tão bonita faz deitada numa praça?
Laura esfrega os olhos e tem a certeza de conhecer aquele homem. Muito simpático ele se dirige à uma padaria em frente e compra pão e leite para a menina. aminta Laura come sem pensar em modos, enquanto o cavalheiro a observa...

A Magia da Noite disse...

"- Alimenta o corpo, e deixa-me cuidar da tua alma." entregou-lhe umas asas brancas, "- Voa comigo, vou levar-te a conhecer o mundo dos sonhos.". Deu-lhe a mão e no chão ficaram apenas as migalhas de uma vida...

Ana Carolina disse...

Obrigada pela visita ao Escrito de batom..
Adorei a dinâmica proposta desse post, eu queria continuar do seu último comentário em que Laura "faminta come sem pensar em modos, enquanto o cavalheiro a observa..."
Ela se da conta da fome que estava e se constrange quando percebe que ele estava observando-a..Agradece pelo gesto gentil e vai embora.
Continua sua busca por si mesma...

D. R. disse...

Vou esquecer o trecho da "Ana Carolina" uma vez que não continuou na parte da história onde o amigo "A magia da noite" tinha acabado. E isso era uma regra!

Primeiro, Laura, ficou surpreendida com o facto de o homem não precisar de asas para voar. Mas lembrou-se que talvez só ela precisasse delas.
Voaram por tempos infinitos, sem nada ver. Só nuvens. Um tapete infindável de nuvens, que parecia descrever um qualquer trajecto que deveria ser seguido.
Chegaram, por fim, a um lugar diferente. As nuvens foram substituídas por raios de sol coloridos: o arco-íris.

Paulo disse...

Pousaram em cima do arco-íris, foi quando o homem fez a Laura a seguinte pergunta: - Você continuar sua vida podendo voar, e melhor, voar sem asas, ou voltar a sua vida de antes?

afonso rocha disse...

........por fim, a um lugar diferente. As nuvens foram substituídas por raios de sol coloridos: o arco-íris.
PEGANDO NA D.R......

lAURA, cheia de felicidade, porque nunca tinha estado ao pé de um arco-iris, perguntou se podia agarrar uma cor.
O homem aproximou-se, pegou em cada raio de Luz...e colocou na mão de Laura, um a um formando feixes à volta dela...
e quando ia agradecer...eis que o homem desaparece...dando lugar a uma senhora com cara de anjo, que lhe disse:
Laura, não tenhas medo...
E ela, instantaneamente soube que era sua mãe, pois não tinha esquecido sua voz suave e doce desde o seu ventre...

*lua* disse...

E sua mãe continuou ...
- Laura, não tenhas medo ...
Estou ao teu lado ..., carrega-me no seu ventre agora ... tenha força, não se sinta só, preciso sentí-la novamente ao meu lado ... preciso de teu amor ... não me negue essa oportunidade ... volte para sua casa, volte para sua fortaleza.

Psiquismo Desmistificado disse...

Mas...mãe?
Onde estou? Porque você está aqui?
Senti tanto sua falta.
Permi-me durante longos anos de minha vida, sem rumo, sem prumo.
Escondi meu sentimentos e aflições.
Escondi-me da vida.
E agora te vejo, como um sonho maravilhoso de meus mais secretos desejos.
Laura....

Filipe Costa disse...

Tem um selo pra voce!
Um abraço!